Português Italiano Inglês Español
Siga nas redes sociais Facebook Instagram YouTube Linkedin
Home / Conheça o Colégio / Biblioteca

Biblioteca

Na Estante nº10 – Abril/2019

ABRIL DE COMEMORAÇÕES

A Biblioteca Central convida a todos para conhecer sua diversidade temática. Livros interessantes sobre assuntos incríveis. Sempre bom ampliar nossos conhecimentos além do literário. No mês de abril há muito a se comemorar e entre as comemorações, livros que abordam os assuntos do mês. Confira abaixo!

Equipe Biblioteca Central

"O conhecimento é poder. Utilize parte do seu tempo para educar alguém sobre o autismo. Não necessitamos de defensores. Necessitamos de educadores."

Asperger Women Association

DICAS DE LEITURA

Curiosidades: Você sabe quais datas se comemoram no mês de abril? Não? Fizemos uma seleção de temas do mês e destacamos alguns de relevância: Autismo, Cultura indígena e Livros. Temas bem interessantes com obras que vale a pena conhecer. Aqui estão alguns títulos.

OLHE NOS MEUS OLHOS

Autor: Jon Elder Robison

Sinopse: ‘Olhe nos meus olhos’ é a narrativa de alguém que cresceu com a Síndrome de Asperger numa época em que esse diagnóstico não existia. Desde criança, John Robison tinha dificuldades em relacionar-se com outras pessoas. Na adolescência, os problemas se agravaram e apenas aos 40 anos Robison foi diagnosticado por um atento terapeuta que era portador de uma forma de autismo chamada síndrome de Asperger. Essa súbita compreensão transformou a maneira como Robison se via e como via o mundo.

UMA MENINA ESTRANHA

Autor: Temple Grandin e Margaret M. Scariano

Sinopse: Depoimento em que Temple Grandin, engenheira e bióloga autista, conta sua história. Foi somente quando já tinha quase trinta anos, por exemplo, que ela conseguiu olhar nos olhos de outra pessoa. É dela a frase que deu título ao livro de Oliver Sacks: “A maior parte do tempo eu me sinto como um antropólogo em Marte”.
... Ela faz uma analogia: com as crianças autistas é preciso agir do mesmo modo, isto é, trabalhando a favor delas, ajudando-as a descobrir e desenvolver seus talentos ocultos.
De certa forma, esta autobiografia nos diz que as pessoas todas podem se tornar menos “estranhas”.

MEU MENINO VADIO

Autor: Luiz Fernando Viana

Sinopse: Se eu queria ter um filho autista? Não. Ainda assim, amo meu filho? Mais do que qualquer palavra pode traduzir. O jornalista Luiz Fernando Vianna e seu filho, Henrique, são unha e carne — às vezes unha do filho na carne do pai. Henrique é autista. Pouco fala, mas algumas palavras repete à exaustão. Tem momentos de agressividade contra si mesmo e contra terceiros. Sabe ser irônico. Gosta de desenhos animados e de mergulhar no mar. Como todo adolescente, tem suas curiosidades e seus impulsos, só que sem grande cerimônia. Luiz Fernando decifra os sons que ele emite, seus desejos imediatos e muitos de seus silêncios, no entanto não tem como alcançar o que o filho sente lá no fundo do fundo.

O QUE ME FAZ PULAR

Autor: Nagaoki Higashida

Sinopse: Naoki Higashida sofre de autismo severo. Preso em seu mundo individual, muitas vezes ele exibe comportamentos vistos como estranhos, peculiares, “inadequados”. Seja repetindo palavras e frases aparentemente sem sentido ou evitando contato visual com outras pessoas, Naoki tem uma enorme dificuldade de se comunicar e de socializar.

Porém, graças à determinação da mãe e de uma professora, ele aprendeu a se expressar apontando as letras em uma espécie de teclado de papelão – e o que tem a dizer traz uma nova luz para a compreensão da mente autista. A história de Naoki demonstra que, longe de serem insensíveis e indiferentes ao mundo, as pessoas com autismo são tão complexas quanto qualquer um de nós e dotadas de senso de humor, empatia e uma intensa imaginação.

PRÊMIO CULTURAS INDÍGENAS

Autor: SESC SP

Sinopse: Nesta publicação, reúnem-se iniciativas que expressam a diversidade dos povos indígenas, nas relações mais abrangentes entre homem e natureza, arte e técnica, memória e imaginação, música e dança, canto e encantamento, elucidação e mitologia, reflexão e criação – ou seja, são iniciativas, em um campo vasto de conhecimentos, a nos informar e resguardar contra as ciladas do pensamento etnocêntrico, o qual escalona valorativamente as culturas.

A QUESTÃO DOS LIVROS

Autor: Robert Darnton

Sinopse: O historiador norte-americano Robert Darnton decidiu reunir em um único volume seus artigos abordando a questão do livro depois de verificar que, na última década, ele havia sido convidado a um grande número de conferências sobre a suposta “morte do livro”, levando-o a suspeitar que os livros, ao contrário, deviam estar muito vivos. A prova, como aponta Darnton, é que a indústria do livro está lançando em todo o mundo cerca de 1 milhão de novos títulos por ano. A despeito dessa aparente pujança, no entanto, a questão permanece intrigante. Estaria a era do livro em papel encadernado chegando perto do fim, em face dos avanços trazidos pelas tecnologias digitais? Partindo dessa questão, Darnton discute em profundidade alguns temores reais que a nova paisagem suscita.

A PAIXÃO PELOS LIVROS

Autor: organização Julio Silveira e Martha Ribas

Sinopse: Contos, crônicas e depoimentos de quem achou no livro seu paraíso particular e na leitura uma forma de abstrair-se das dores do mundo para nele encontrar algum sentido. Alguns exemplos singulares de manifestações de amor aos livros, testemunhos dos prazeres escondidos nas bibliotecas, casos de paixão bibliômana. Através de histórias, verídicas ou não, os autores retratam uma história do mundo. Uma história do mundo com livros e pelos livros.

UMA VIDA ENTRE LIVROS

Autor: José Mindlin

Sinopse: No prefácio a “Uma vida entre livros”, Antonio Candido descreve José Mindlin: “Indiscriminado e seletivo, glutão e refinado, ele é o tipo ideal de leitor, porque sabe que praticamente nenhuma leitura é perda de tempo se der prazer”. Mindlin já falou em público muitas vezes sobre sua paixão pela leitura e sobre como ela originou uma biblioteca absolutamente sui generis. Agora, partindo de uma entrevista que concedeu em 1990, registra por escrito esse convívio de toda uma vida, num texto em que a despretensão é o primeiro indício de uma experiência consolidada serenamente.