Português Italiano Inglês Español
Siga nas redes sociais Facebook Instagram YouTube Linkedin
Home / Destaque / Ensino Médio / Institucional / Notícias

Alunos de Harvard visitam o Dante

Imprimir Compartilhar Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter Compartilhe no Google Plus
Em 18 de Janeiro de 2019

Nos dias 15 e 22 de janeiro, 14 estudantes da Universidade de Harvard, uma das mais conceituadas instituições de ensino do mundo, visitaram o Dante e passaram o dia todo no Colégio. Além de conhecerem o espaço, eles se reuniram com 14 alunos brasileiros de Ensino Médio para uma série de atividades de mentoria. A ação faz parte do programa MLab, que é realizado há sete anos pelo David Rockefeller Center for Latin American Studies apenas no Brasil, onde os universitários atuam como mentores dos estudantes de Ensino Básico. O trabalho dura cinco meses no total, começando com um contato à distância e tendo a viagem ao Brasil programada para o penúltimo mês do processo, quando mentores e mentorandos finalmente podem se conhecer pessoalmente e participar de diversas atividades focadas em crescimento pessoal. A programação aqui inclui desde aulas e palestras até a prática de capoeira, visitas a pontos turísticos da cidade e uma viagem para um hotel-fazenda. Os objetivos são vários: desenvolver a autoestima dos mentorados, promover uma imersão no inglês e favorecer o desenvolvimento do idioma e o intercâmbio cultural.

O MLab ajuda quem pensa em estudar fora, seja em Harvard ou em qualquer outra universidade americana. Como a maioria dos estudantes daquela instituição, os mentores são todos bolsistas, o que os deixa à vontade para explicar aos brasileiros como funciona o processo seletivo e a rotina universitária nos EUA. Este ano, o MLab chegou à sua sétima edição e reuniu alunos da rede privada de São Paulo e de Brasília. Já os estudantes vindos dos Estados Unidos eram onze de graduação e três de pós-graduação. “É uma oportunidade para os universitários conhecerem o Brasil e uma realidade totalmente diferente da deles, enquanto os estudantes brasileiros podem desenvolver seu inglês, seu autoconhecimento e maturidade, ter contato com outras culturas e a vida acadêmica em uma das universidades de mais prestígio do mundo. É uma troca muito rica e importante para os dois lados”, explica Larissa Leal, assistente de programas do David Rockefeller Center. “No hotel-fazenda eles têm a oportunidade de se conhecer melhor, se divertir, conviver mais, se entrosar e reforçar esses laços de amizade, além de participarem da programação com autonomia e liderança”, acrescenta.

Tiago Genoveze, coordenador de programas do David Rockefeller Center, conta que os participantes costumam fazer amizade e manter contato mesmo após o final do programa, com um espírito de apoio e motivação, criando uma grande rede de contatos. Os temas trabalhados também continuam no radar dos jovens, já que são escolhidos conjuntamente por eles e pela coordenadoria. “Logo no começo do programa, em outubro, nós perguntamos a eles quais são seus maiores interesses e definimos juntos alguns temas. Nesta edição, surgiram assuntos como autoconhecimento, desigualdade social, feminismo, saúde pública e educação. Nós também nos preocupamos em levar os estudantes para todos os cantos de São Paulo, incluindo periferias, para que possam ver as diferentes realidades dentro da mesma cidade”, afirma.

No Dante, o aluno escolhido para participar do MLabs foi Leonardo Alves Miguel, que irá cursar a 3ª série do Ensino Médio em 2019. “É muito interessante conhecer visões de mundo diferentes e outras realidades. Minha mentora é muito atenciosa e me traz muita inspiração. Sou muito focado e já decidi que quero fazer medicina e trabalhar como cirurgião, e ela me ajuda a organizar os próximos passos entre a escola e a universidade”, diz ele. Sua mentora é Debora Gonzalez, nascida em Cuba, que cursa o segundo ano em sociologia em Harvard e tem como objetivo acadêmico aprender todos os idiomas falados na América Latina. “Já sou fluente em inglês e espanhol, estou estudando português e, mais para a frente, também vou aprender francês. Mas essa é a minha primeira vez no Brasil”, conta. Debora também teve um mentor que a ajudou muito e agora quer retribuir a oportunidade. “Acredito muito no poder da educação e, se não fosse por ele, eu não teria ido para a faculdade.”

Autoconhecimento

Um dos temas mais trabalhados do dia foi crescimento pessoal, com discussões sobre autoconhecimento, aprendizagem, amadurecimento e produtividade. Uma palestra especial sobre síndrome do impostor chamou a atenção dos jovens por ser bastante interativa e divertida. O palestrante, convidado pela equipe de Harvard, foi Peirol Gomes, líder de crescimento da Yubb, startup/fintech de educação financeira que funciona como um buscador de investimentos.

Antes de trabalhar com tecnologia e finanças, no entanto, Peirol teve dois projetos muito interessantes: ele fundou o “My CsF”, plataforma dedicada a transformar o ensino superior brasileiro com base nas experiências vivenciadas pelos bolsistas do Ciência sem Fronteiras, impactando mais de 250 mil pessoas, e idealizou o “Um Por Cento Club”, projeto que disseminou a ideia de que é melhor fragmentar os grandes objetivos em pequenas metas diárias, tornando-se 1% melhor a cada dia. “Me apaixonei por educação e crescimento pessoal com estes dois projetos; escrevi um livro sobre estágio também, e procurei inspirar os alunos o máximo possível, passando para eles tudo que aprendi, mas sem focar na minha experiência pessoal e sim naquelas em que eles podiam se identificar, pedindo para que participassem e citando pessoas que eles admiram.”

Categorias: Destaque, Ensino Médio, Institucional, Notícias